Fortaleza em cartaz nos cinemas

A Praia do Mucuripe, a avenida Heráclito Graça, a Ponte dos Ingleses e outras paisagens de Fortaleza estão no filme Assalto ao Banco Central, que está atualmente em cartaz nos cinemas brasileiros. A película, dirigida por Marcos Paulo, baseia-se no crime que deu um prejuízo de mais de R$ 160 milhões ao Banco Central da capital alencarina. Com grande perícia, a quadrilha responsável pelo crime construiu um túnel que levava ao cofre do banco e o montante roubado era inteiro composto de notas velhas de R$ 50. Embora a maioria das cenas tenham sido gravadas no Rio de Janeiro, as imagens de Fortaleza estão bastante destacadas no filme.

A respeito da narrativa, o diretor estreante, na minha opinião, não obteve muito sucesso, especialmente em requisitos como trilha sonora, fotografia e montagem. Não compreendo muito sobre o processo de produção cinematográfica, mas as falhas nos itens acima, para mim, ficaram patentes. Os recursos de flashback nas cenas alternadas entre a presença da Polícia Federal e da quadrilha na casa que era o QG dos assaltantes não ficaram bem feitas e as músicas de fundo que representavam drama era por demais exageradas.

Dentre  as atuações, destacaria somente a de Milhen Cortaz, que tem uma cara de mal extremamente verossímel, e de Vinícius de Oliveira, que faz um evangélico sensível e afeminado. Para mim, a forma de atuar em filmes e em novelas é bastante distinta; os demais atores parecem estar protagonizando personagens de uma novela. Lima Duarte, no papel de um delegado da Polícia Federal, demonstrava insegurança e Hermila Guedes errou a mão ao compor a personagem Carla, que ficou muito caricatural (vide sua boca aberta mastigando chiclete).

Na mão de um José Padilha da vida, penso que Assalto ao Banco Central teria sido uma grande obra cinematográfica.

Fonte da imagem: http://www.cinepop.com.br/filmes/assaltobancocentral.php

Anúncios